GoogleAnalytics

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Bagunça Tóxica, Revista Veja de 08 de janeiro de 2014

Resposta ao artigo de Cláudio de Moura Castro Bagunça Tóxica, Revista Veja de 08 de janeiro de 2014.

A culpa é minha?!

Enquanto lia o artigo (Bagunça Tóxica, Revista Veja, edição de 08 de janeiro de 2014) pensava em quão objetivo ele era, para um assunto que as pessoas preferem enfiar embaixo do tapete.  Quando falamos em bagunça nas escolas, todos têm sua opinião a dar, mas poucos sabem o que estão falando, como tudo em educação no Brasil. Louvo o articulista pelo texto, e o termo tóxico é perfeito para descrever a situação. Concordo com ele que a bagunça em sala é um transtorno para os profissionais e para a educação com um todo, inclusive para os alunos que não bagunçam. Mas estava feliz com o texto até chegar à primeira frase do último parágrafo. O autor escreve: "A solução começa na cabeça dos professores e diretores" (Revista Veja, 08 de janeiro de 2013).

Com todo respeito ao articulista, dizer que a solução começa na cabeça dos professores é mais uma vez assumir o discurso oficial raso, ridículo esgotado de colocar a culpa de tudo o que acontece na sala de aula sobre o professor. Com certeza, muitos leitores tão desinformados quanto o articulista e movidos pela mesma cegueira irão concordar com o mesmo.